Novas estratégias de fast foods para atrair a geração Y

Eles são distraídos, preocupados com meio ambiente e saúde. 
A Geração Y está forçando as marcas a inovarem para conseguir sua atenção.

Há alguns meses, redes de fast food tornaram seus lanches mais gourmet, na tentativa de chamar a atenção da Geração Y. Depois, lançaram opções saudáveis, outra tendência voltada a esse público.
Ainda não foi o suficiente. Nas últimas semanas, as principais delas lançaram novos itens e campanhas para atrair esses consumidores.

A Taco Bell, por exemplo, quer aprender as gírias dos jovens para se comunicar com eles. A Chili’s, uma rede de restaurantes americanos Tex-Mex, gastou milhões para que a comida seja mais bonita e mais “compartilhável” nas redes sociais.

Veja a seguir algumas das tentativas dessas empresas de angariar consumidores jovens.

Taco Bell
Gírias, abreviações e figuras de linguagem das gerações mais jovens mudam tão rapidamente que fica difícil acompanhar. Ainda assim, o Taco Bell, uma rede de 53 anos, quer falar como alguém de 20.

Os executivos do Taco Bell acreditam que, se adequarem sua linguagem a das gerações mais jovens, também conseguirão pensar como elas e, assim, desenvolver pratos mais adequados a esse público.

Por isso, uma equipe de funcionários com cerca de 20 anos cria, semanalmente, uma lista com “A Palavra Geração Y da Semana” e a divulga internamente por email, segundo a Associated Press.

O presidente Brian Niccol, de 41 anos, afirmou que sequer sabe usar algumas das expressões. No entanto, afirmou que conhece bem o seu público, jovens que buscam a rede antes ou depois de uma balada.

Chili’s
A Chili’s, uma rede de restaurantes casuais com inspiração texana e mexicana, quer que sua comida seja o mais bonita possível.

Ela está gastando milhões com uma renovação do cardápio, para tornar os pratos mais atraentes e, assim, mais compartilháveis nas redes sociais.

Uma das mudanças é a adição de uma camada de ovo nos pães do hambúrguer. Assim, o pão fica mais brilhante, que “reluz”, afirmou o presidente da Brinker’s, a dona da rede.

Além disso, criou um novo jeito de organizar costelinhas, para aparecerem melhor nas fotos, e cestas de ferro bonitas para as batatas fritas.

Pizza Hut
Em novembro do ano passado, a Pizza Hut transformou radicalmente sua imagem e seu menu. A empresa buscou inspiração em alimentos étnicos e exóticos para redesenhar o seu cardápio e incluiu novas pizzas e bordas, com sabores como Honey Sriracha e Ginger Boom Boom.

Não deu certo. Além de não atingir o público alvo, a companhia foi acusada de se esquecer de seus consumidores tradicionais e cativos e as vendas caíram.

O CEO da Yum Brands, dona da Pizza Hut, Greg Creed, afirmou que a mudança foi mal calculada.

“Infelizmente, não fomos tão eficientes quando gostaríamos com o nosso marketing ou com o balanço entre os mais jovens e os consumidores tradicionais”, afirmou.

O último lançamento da companhia vai em uma direção completamente diferente da linha anterior: uma pizza com borda de cachorro quente. Ela já estava disponível no Reino Unido, Canadá, Austrália e Coreia do Sul. Agora chegou aos Estados Unidos.

No Brasil, chegou a Cheesy Pop!, que tem gomos recheados de queijo. Esse será o produto de destaque durante todo o ano, afirmou a empresa.

Domino’s
Como os mais jovens estão sempre próximos de seus smartphones, as empresas estão tentando alcançá-los através do aparelho.

A Domino’s lançou uma campanha que permite pedir uma pizza pelo Twitter. O consumidor americano poderia se cadastrar no sistema da rede de pizzas e, depois, tuitar emojis de pizza para a companhia.

“É a epítome da conveniência”, disse o presidente Patrick Doyle, ao USA Today. Em apenas 5 segundos, um consumidor jovem e atarefado pode receber sua pizza. Cerca de 50% dos pedidos da rede já ocorre no meio digital.

Não são apenas os fast foods que lutam para conseguir a atenção da Geração Y, as marcas de bebidas e lojas varejistas também estão criando novas estratégias. Confira.

PepsiCo 
Refrigerante está em baixa entre a Geração Y, conhecida por uma preocupação com alimentos mais saudáveis.

Para tentar conquistar a simpatia desse público, a PepsiCo está lançando uma nova linha de bebidas, chamada “Stubborn Soda”.

Elas são feitas de ingredientes nacionais e sem xarope de milho e descritas pela empresa como “artesanais”.

Entre os sabores, estão amora americana com ervas, cerveja, açaí e limão, creme de baunilha e agave, hibisco e laranja e creme de abacaxi.

Ao mesmo tempo, a companhia anunciou dois projetos novos: a Calbe’s Soda, bebida artesanal, e o Mountain Dew Dewshine, feito com açúcar natural. Também está removendo o aspartame da Pepsi Diet.

Whole Foods
A Whole Foods sempre se gabou de ter os produtos mais saudáveis de todas as redes varejistas dos Estados Unidos.

O problema é que esse título vem com um preço: os jovens, seu público alvo, não conseguem pagar pelos produtos mais saudáveis e mais caros.

Por isso, a varejista está tentando atraí-los com um novo modelo de loja, com preços mais baixos. As novas unidades irão atender um público que está buscando produtos orgânicos e naturais, mas querem “uma experiência de compra diferente”, disse a empresa.

Fonte: http://exame.abril.com.br/negocios/noticias/as-tentativas-de-redes-de-fast-food-para-atrair-a-geracao-y/lista

EfeiTTo Cogumelo, pré lançamento alucinante.

EfeiTTo Cogumelo, T.T. Burger lança o TTPRAQUEMNÃOCOMECARNE (shiitake, alface, tomate, queijo meia cura, molho especial, cebola agridoce, chuchu crocante e pão de batata doce), o lançamento é o mais aguardando pelos vegetarianos. 
Para pré lançamento no dia 4 de novembro a marca convidou os 100 clientes (os 100 primeiros) que chegassem a loja do Leblon para degustar em primeira mão o hambúrguer. A música ficou por conta da Rádio Ibiza, que deu o início a brincadeira ao som de Maluco Beleza, Raul Seixas. A cerveja ficou por conta da Jeffrey, parceria da marca. A partir daí, foram 30 dias pra provar Efeitto Cogumelo e ficar alucinado.

Fotos de @lipagliaro, @radioibiza e @carolinelopezz

Nespresso, além do café.

Café. Este grão categoriza-se como uma commodity. Será possível criar diferenciação neste segmento? A Nespresso, desde 1993, vem demonstrando que sim.
Muito mais do que café, a Nespresso vende “uma experiência única”, é assim que a empresa define seu negócio. As promessas da marca giram em torno da experiência: – “Nespresso traz uma nova dimensão ao mundo do café”. – “Nespresso é um estilo de vida e uma arte de viver”. – “Nespresso é uma experiência única que alia perfeição, prazer, simplicidade e estética.”
Nespresso é uma subsidiária da Nesté. Sua estratégia foi vender café diretamente para o consumidor final. Lançou suas operações inicialmente na França e na Suiça, sem nenhum suporte de propaganda, voltada para um nicho preciso de formadores de opinião. Suas pesquisas identificaram potencial para o segmento premium de luxo e, assim, boutiques de luxo em endereços nobres das cidades foram abertas, apoiadas por um e-commerce com forte expressão de códigos de luxo.

A Nespresso é hoje uma marca icônica. Seu “monopólio”, “Experiência única de luxo”, é difícil de ser desafiado ou copiado.

O QUE DIFERENCIA A MARCA NESPRESSO NO MERCADO SÃO SUAS PROMESSAS DE VALOR, SUA EXPERIÊNCIA ÚNICA DE LUXO. A MARCA DIZ QUE SUA REVOLUÇÃO NÃO É SOBRE CAFÉ, MAS SOBRE A EXPERIÊNCIA DO CAFÉ.

O produto café tem a ver com a razão, a experiência café atinge o emocional e é muito mais poderosa. O produto café se refere a coisas. A experiência café se refere a gente, e esta deve ser a prioridade.
As marcas, o conhecimento corporativo, a sustentabilidade, a rede de relacionamentos, o capital intelectual são todos ativos de natureza intangível, que garantem diferenciação, venda e margem das empresas.
Não precisamos de bola de cristal para prever que, em um futuro próximo, haverá excesso de empresas empregando pessoas com qualificações semelhantes, oferecendo produtos e serviços semelhantes, com qualidade e preços semelhantes, onde todos estarão competindo. Como consumidores, ok, gostamos de ter liberdade de escolha e ficamos cada vez mais exigentes. Afinal, quando o consumidor tem escolha, é ele que manda.
Como empreendedores, entretanto, não vai ser moleza. Não será nada trivial criar vantagens competitivas sustentáveis em um ambiente com tanto dinamismo e opções. Dentro deste ambiente extremamente ofertado, a diferenciação em relação aos concorrentes e o conhecimento do consumidor não será apenas um desejo das empresas mas uma necessidade para garantir sua sobrevivência.
Ativos intangíveis
De maneira evolutiva, os diferenciais competitivos das empresas estão em seus valores intangíveis. O conjunto deles é o que garante a diferenciação competitiva das empresas, que impulsiona os seus negócios e que permite que alcancem altas margens.
O planejamento estratégico de médio e longo prazo da companhia deve se fixar na marca, no conhecimento corporativo, na sustentabilidade, na rede de relacionamentos, no capital intelectual… ou seja, em ativos de natureza intangível. Serão estes os indutores que vão, com maior probabilidade de sucesso, habilitar a empresa para ser percebida como original e única por seus clientes – um desejado “monopólio”.
As empresas costumam medir seu desempenho baseadas em indicadores financeiros e medidas quantitativas. Tais critérios não são mais suficientes: o novo ambiente exige que as empresas adquiram a capacidade de gerir rotineiramente aquilo que representa sua vantagem competitiva.
Escolhas
Estratégia tem a ver com escolhas, um território em que a empresa procura ser única. A essência da estratégia consiste em fixar limites para aquilo que se deseja fazer. É impossível ser tudo para todos e, em um ambiente muito ofertado, é melhor identificar os nichos do mercado.
A empresa precisa desenvolver um profundo conhecimento sobre quem escolheu ser (genuinamente) e desta forma, sem desvios, desenvolver um profundo conhecimento sobre seus clientes, o ambiente competitivo e suas realidades econômicas.
O objetivo correto da estratégia é a lucratividade maior. Ela se refere ao significado essencial que estamos tentando passar para o cliente e o tipo de cliente que desejamos atingir.
Clientes
A empresa define seus clientes se manifestando de forma coerente com o que escolheu ser, seus valores intangíveis, ética, estética. Quando bem executado, vai transmitir a identidade desejada e atrair o público que lhe interessa facilitando bastante a criação de valor sustentável, por já  existir identificação e empatia.

PARA SER AUTÊNTICO DE VERDADE, TEMOS QUE TER A CAPACIDADE DE NOS COLOCAR NO LUGAR DO CLIENTE. O CLIENTE QUE NOS INTERESSA.

Devemos buscar empatia antes de conhecer sua motivação: isso é importante.
Cliente e consumidor são diferentes na essência. Consumidor representa um personagem indefinido, uma estatística, representa um sem número de indivíduos indistintos que consomem bens por seu valor prático ou econômico. O cliente, entretanto, é um personagem definido, com personalidade distinta, com estilo seletivo e particular, que tem uma relação emocional frente às criações da empresa.
Os clientes não compram produtos apenas pelo seu valor prático ou econômico, eles demonstram compreender o valores intangíveis e o significado daqueles bens em suas vidas. Além disso, eles percebem que tais produtos ajudam a defini-los da maneira como desejam ser entendidos pela sociedade.
A maioria das pessoas no mundo dos negócios está olhando as coisas analiticamente, levantando números e fazendo planilhas. Ao invés de se perguntar qual é a experiência real, costumam pensar de um ponto de vista logístico operacional. Hoje em dia, é difícil vencer confiando apenas na dominância dos sistemas clássicos de distribuição; devemos focar na apresentação da marca com forte conteúdo emocional.


A publicidade pode ajudar a construir marcas, mas a autenticidade é o que as faz durar. Quando as pessoas (seu pessoal e clientes) acreditam compartilhar valores com a empresa, permanecem leais a ela.
Os valores intangíveis de uma empresa em nossa indústria vêm da qualidade da experiência oferecida. Esta experiência é holística, completa, abrangente, transformadora e, acima de tudo, emocional.
Os ativos intangíveis e intelectuais estão relacionados às vantagens competitivas das empresas. São eles que viabilizam retornos excepcionais e, quanto maior for a parcela destes ativos na empresa, maior a geração de valor aos seus acionistas.

Food-se e Radio Ibiza parceria de dar água na boca


Dá só uma olhada na parceria que acaba de sair do forno: Cool-zinhando uma playlist exclusiva feita pela Rádio Ibiza para inspirar o nosso blog.

A identidade musical é mais uma estratégia para posicionamento de marca, através dela podemos definir mais quem é a marca, transmitindo características pela música.
“O paladar de marcas da gastronomia no Brasil traduzido em música: ritmo, raíz, sonoridades plurais, assim como os temperos e condimentos da nossa terra. Do clássico ao novo, a tradução auditiva para os sabores da Food-se se baseia em músicas que falam de ingredientes, sabores e cores, do tropical ao lúdico, musica também é feita de detalhes.” 

                   

Playlist atualizada com uma seleção de músicas que acabou de sair do forno.

Continue curtindo a nossa antiga playlist aqui embaixo.

T.T. Burger e Uber, co-branding MATADOR!

Na última segunda (23/11), o  T.T. Burger e o Uber deram o que falar no co-branding food inédito aqui no Brasil. Os 100 primeiros clientes que pediam clicando no botão UberBurger através do app Uber  receberam um T.T.
Burger por conta das marcas.

A ideia era juntar duas marcas que possuem a irreverência no DNA de posicionamento proporcionando uma experiência inédita.

Os hambúrgueres do T.T., que já são favoritos, foram até a galera junto com um suco da marca Do Bem, também parceira do T.T. e o  serviço personalizado do Uber.

O resultado você acompanha no regram dos sortudos que se deram bem logo aí embaixo, quem participou e não conseguiu ficar entre os primeiros, as marcas prometem novidades em breve.                  

        Motoristas Uber em ação
À esquerda, foto da @brunawr e à direita foto do @uber_rj

Chef’s Table, branding gastronômico do Netflix.

Sucesso arrebatador do Netflix, o Chef’s Table tem ganhado cada vez mais força e já se tornou uma grande aposta. Por enquanto tem 1 temporada com 6 episódios. Em cada um deles, conta a história de um chef renomado que usa a cozinha de forma diferente e trata a culinária como arte. A frente do episódio:
  1. Massimo Bottura (Osteria Francescana em Modena, Itália)
  2. Dan Barber (Blue Hill Restaurant em Stone Barns e New York City, USA)
  3. Francis Mallmann (El Restaurante Patagonia Sur em Buenos Aires, Argentina)
  4. Niki Nakayama (N/Naka Restaurant em Los Angeles, Califórnia, USA)
  5. Ben Shewry (Attica Restaurant em Melbourne, Australia)
  6. Magnus Nilsson (Fäviken em Järpen, Suécia)
O chef Ben Barner do restaurante Blue Hill em Nova Iorque possui uma fazenda chamada Stone Bars onde produz parte dos alimentos que vai para os restaurantes, inclusive existe um dentro fazenda! Por conta disso, ele monta o cardápio com alimentos da temporada para diminuir o uso de alimentos industrializados e repensar o modo em que comemos. Quando temos todos os alimentos disponíveis em qualquer época do ano, esquecemos da época de cada alimento e, consequentemente, isso afeta na qualidade da produção. É um assunto que além de ser pensado por muitos restaurantes de alta qualidade, está em pauta atualmente pela onda atual de alimentação saudável.

Outra parte interessante é ver os bastidores da cozinha e como cada chef conseguiu o reconhecimento que tem hoje. Cada chef tem uma história que vale a pena ser contada e é isso que essa série aproveita.

A fotografia da série é uma obra de arte. Desde as entrevistas, até a montagem dos pratos. É possível ver o cuidado da produção de cada cena e da sua edição. 

Aproveite e comece a planejar as viagens para visitar cada um desses restaurantes. 
É um mergulho em experiências, detalhes e histórias, tudo que mais amamos.

Food-se: fome de detalhes

  Food-se: Marcas Gastronômicas

                                                                    #fomededetalhes

Você é Chef? tem um restaurante? ou está pensando em abrir o seu? Ah é amante da boa gastronomia? ou só curioso do universo gastronômico… seja qual for, se você é food, então esse é o seu canal. Por aqui eu vou te contar tudo que acontece no cenário das marcas gastronômicas, além disso vou trazer muito conteúdo dedicado ao estratégico, o que fazemos e o que é feito lá fora.

Um tour pelo nosso canal…

Baba Baby – o que de melhor acontece no cenário da gastronomia.
Sabor pelo Mundo – dicas de restaurantes irreverentes ao redor do mundo.
2 Cafés – entrevistas exclusivas com grandes nomes do empreendedorismo gastronômico.

Bon appétit! 
Vanessa  e time Food-se

Marca Oreo lança churros

A marca Oreo vai levar para os mercados o churros de Oreo! Também serão lançados o Oreo de coco queimado e com recheio de brownie seguindo a estratégia portfólio de sabores como cerveja, banana split, veludo vermelho e muitos outros. As edições especiais da marca são comuns nos EUA.
A J&J Snack Foods, responsável pela marca Oreo, vai lançar nos EUA uma nova sobremesa: churros de bolacha Oreo.
Em novembro de 2014, já havia uma versão dos churros da Oreo. Só que eram apenas “massa”. Junto com eles, era preciso comprar o pote individual de creme.
Dessa vez, os churros já serão recheados com creme e ainda terão um açúcar para passa por cima depois de assados.
A empresa lançou duas versões. Uma menor, no estilo “petisco”, e outra com 25 centímetros. Ambas recheadas com creme Oreo.
Por enquanto, só é possível encontrá-lo nos EUA. Ainda não se sabe quando a novidade chegará por aqui.
Disposta a dominar o segmentos de sobremesas, a Oreo também lançou uma bolo de sorvete e novos sabores para os biscoitos: coco queimado e chocolate brownie.
http://exame.abril.com.br/marketing/noticias/marca-lanca-o-oreo-churros