Food Branding: Oi?

Estamos sempre falando de branding gastronômico, mas, afinal, o que é o food branding?

Bora começar entendendo o termo ”branding”,que é um conjunto de ações de marketing, após grande estudo, que dão uma cara e personalidade pro seu produto o tornando uma marca. Essas ações buscam deixar a marca mais conhecida, desejada e próxima do consumidor.

Mas onde a comida se envolve nisso? Ah, na hora que existem milhares de produtos semelhantes em uma prateleira de supermercado e o consumidor escolhe um especifico por algo além do preço, escolhe pelo sentimento.

O branding vai trabalhar com o design das embalagens, posicionamento, forma como a marca fala com o consumidor. Ou seja, dar uma alma, personalidade e, às vezes, uma repaginada no figurino. A marca se torna ”alguém”. É nesse trabalho que o Food-se entra, é exatamente o que fazemos: conceituar… resgatar a alma. 

Alguns exemplos bem bacanas:

Coca-Cola:

A Coca-cola começou a ser vendida por volta de 1886, o produto da época em nada lembra o que conhecemos hoje. De um elixir criado por um farmacêutico ao refrigerante mais famoso no mundo e também uma das marcas mais valiosas. Gerações após de gerações tiveram Coca-colas em aniversários, lanches, festas etc. Mas tudo isso apenas pelo produto em si? Não, tudo isso graças a mágica criada em torno da marca. Mágica não, trabalho duro de branding.

Um vídeo com um pouco da evolução das embalagens:

Brick Burger

Restaurante, nas Filipinas, com seu menu inspirado em lego. Hambúrgueres em pão quadrado e colorido que lembram o brinquedo. É ou não é pra também comer com os olhos?  Pessoas de todas as idades acabam se atraindo, ligados pelo emocional.

Nescau e Toddy

Esses produtos estão juntos, pois dividem bem os corações dos apaixonados por achocolatado em pó. Por volta dos anos 90, o Nescau era líder desse mercado e hoje o Toddy também tem seu espaço. É fácil encontrar na internet pessoas TeamNescau e TeamToddy, às vezes encontramos até alguns memes sobre essa rivalidade. A galera é apegada mesma ao seu produto preferido. O Toddy estudou seu produto,seu concorrente e deu uma cara bem jovem e ,com isso,suas estrategias ganharam muitos pontos na hora da compra. O produto é achocolato em pó, mas o consumidor compra Toddy ou Nescau. A escolha é pelo nome da marca e o que ela representa em sua vida.

Kessalao

As cores vibrantes atraem o público e deixam a comida bem mais alegre, neste restaurante na Alemanha. Móveis minimalistas e cores atraentes. Nesse caso o objetivo do branding foi não deixar o restaurante passar despercebido, ele está lá pra marcar mesmo.

Simple

Na Ucrânia encontramos o Simple, um projeto de restaurante que visa sustentabilidade e design. Com o objetivo de ser moderninho mas sem complicações, por isso o nome, ele trás um interior intimista pro cliente sempre ficar um pouco mais.

Além dessas tantas outras marcas criaram uma relação intima com as pessoas, fizeram da comida um laço afetivo, uma ligação com algum momento especial. Os consumidores esperam uma troca de afetividade com essas marcas, elas se decepcionam se algo vem errado, por exemplo. Não são apenas produtos e serviços, são ícones de uma vida.

Alguns outros exemplos: McDonald’s, Bauducco, Leite Moça, Subway, Guaraná Antárctica, RedBull, Danone e muitos outros.

Afinal, quantas vezes você já falou ou ouviu alguém falando: ”Quer um Danone?” e era um iogurte de uma outra marca. A marca se torna o produto certas vezes.

Já contamos aqui sobre o reposicionamento de branding ou rebrading que fizemos para os biscoitos Aruba. Se não viu só clicar aqui.

Viu o quanto é importante trabalhar o corpo e alma do seu produto? Branding é transformador e inspirador.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: