Marketing Sensorial – E os testes cegos que deram o que falar

Como os demais sentidos, o paladar também está diretamente ligado às lembranças e a todos os fatos vividos desde a infância. Ao provar um sabor é fácil relacioná-lo a diversas coisas, momentos, pessoas e até mesmo algumas marcas.

Muitos produtos possuem sabores bem semelhantes, sendo assim a decisão final para a sua escolha é basicamente a união da experiência provocada por todos os sentidos. De fato, nenhum sentido funciona 100% sozinho. Por isso, ter os cinco sentidos trabalhando juntos, de forma estratégica, é a melhor forma para uma construção de branding mais efetiva, especialmente nos dias atuais, onde a concorrência é grande, a poluição visual é maior e a maioria das pessoas não tem tanto tempo para propaganda.

Uma boa forma de verificar o quanto seu sabor vem deixando a sua marca, são os testes cegos, basta lembrar de algumas experiências feitas que provam como o paladar é facilmente influenciado pelos outros sentidos. Para entender a influência, um bom exemplo, é o teste cego que a Pepsi fez lá traz nos anos 80, que divulgava a seguinte situação: o consumidor não poderia ver qual refrigerante estava tomando, e o resultado, foi a maioria optou pela Pepsi, o que contrariou totalmente as pesquisas de mercado. Na época a Coca-cola não teve outra saída a não ser entender os motivos que levaram os consumidores a preferirem o sabor da Pepsi. Então, a Coca-cola realizou estudos aprofundados para melhorar o sabor do seu produto. Descobertas feitas, lançando a New Coke, e apesar de ser um produto com mudanças para agradar ainda mais o paladar dos consumidores, o novo nome e a nova embalagem do produto abalaram todo o público consumidor, tem que afirme que foi a pior estratégia da história da marca, o público não aceitou bem as mudanças e logo depois a Coca-Cola voltou com a sua versão Classic.

Outro Grande exemplo de teste cego que deu certo foi o teste que a Kraft Heinz, resolveu alterar a famosa receita de uma das suas gordices. E os consumidores logo rebateram por dois motivos: diziam pelas redes sociais que “em time que está ganhando não se mexe”, e que alterar a receita para algo “mais saudável”, levaria para um sabor ruim.

E atitude tomada foi dizer que conduziria um teste cego, e que ele seria secreto. Quando tivesse os dados, tomaria a decisão e anunciaria ao público. E foi isso que feito, durante algum tempo, eles testaram várias receitas, até encontrar uma que consideraram viável. A ideia era não modificar o sabor mesmo com o objetivo de serem mais saudáveis. E quando descobriram como fazer,e os clientes disseram que não o teste foi feito da seguinte forma.Os consumidores que compraram as 50 milhões de unidades vendidas durante os 3 meses em que o teste aconteceu diretamente nas prateleiras dos supermercados, não reclamaram. As pessoas só souberam da mudança, quando a Kraft colocou na TV e no Youtube, comerciais falando sobre a mudança que a Bela Gil daria like, os corantes amarelos, por exemplo, foram substituídos por Páprica, colorau e Açafrão-Da-Terra. sem alterar a textura e o sabor.

O que você acha desse teste cego da Kraft? Será que é ético mudar os ingredientes em segredo?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: