“Copos” inusitados são sucesso no Rio

Ideias criativas deixam a gente querendo mais, e pra matar nossa fome neste caso em especifico matar a nossa sede, uma  novidade que vem se tornando uma constante nos balcões cariocas, são os recipientes onde são servidos os drinques. Mixologistas investem apresentação de suas criações.

Pra começar, um drinque que poderia ser batizado de boa ideia, mas como esse slogan já é bem utilizado, vamos ao drinque do Sobe chamado de Âmbar , que é uma criação do barman William Barão,, com cachaça, fumaça líquida, Campari e licor de cereja, é servido na taça em forma de lâmpada, iluminada por uma base de LED.

Já la no Caverna o drinque e sua apresentação vem na jarra Erlenmeyer, produto utilizado em laboratórios químicos, que abriga o drinque heisenberg , cuja receita varia a cada mês. A de setembro unia licor de cacau, prosecco, abacaxi e limão.

Já no Bar d’Hôtel: inspiração vem de Al Capone, que brinca com a história do gângster, o drique intitulado  de Public enemy #1 a garrafinha coberta por jornal, como nos tempos da Lei Seca americana, traz bourbon, hortelã, limão-taiti e Angostura.

Um post para inspirar, e indicar, e difícil de saber por onde começar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: