Como um post influenciou a imagem da Heinz

 Após a Heinz deixar de utilizar os tomates plantados em Leamington, os consumidores preferiram o produto local.

Um único post foi capaz de mobilizar duas grandes empresas, produtores agrícolas, o prefeito de uma cidade e até mesmo um deputado no estado canadense de Ontário.

Na semana passada, Brian Fernandez, morador da cidade de Leamington, conhecida como a capital do Tomate, colocou em seu perfil no Facebook um convite para que seus conterrâneos boicotassem a marca Heinz já que a concorrente French´s utiliza tomates locais.

Em poucos dias, o post de Fernandez foi compartilhado mais de 150 mil vezes e fez com que os ketchups da French´s se esgotassem no varejo. “Vamos triplicar a produção do produto e ficamos entusiasmados de ver a mobilização local”, disse Elliott Penner, presidente da French´s, em entrevista à emissora local CBC.

“Ninguém cultiva Ketchup como Heinz”

Já o executivo da Heinz, Sam Diab, disse que é “encorajador ver a forma como os consumidores valorizam o produto local”. Diante da repercussão, John Paterson, prefeito de Leamington, pediu para que os canadenses não boicotem todos os produtos da Heinz porque a empresa ainda fabrica alguns itens com produtos locais como vinagre e molho de macarrão dando empregos para a cidade.

Desde 2014, a marca de condimentos Heinz deixou de produzir em Leamington. Com sua saída da cidade a empresa demitiu quase 800 trabalhadores e desestabilizou os agricultores.
O post de Fernandez ganhou as notícias e o boicote está se espalhando por outras cidades do Canadá. A situação mostra que mesmo um caso isolado, em uma cidadezinha do interior do Canadá, pode ganhar o mundo em minutos com apenas um clique.

Leamington é intitulada capital do tomate.

Mentor Muniz Neto, sócio e CCO da Bullet, explica que o caso de French’s x Heinz é apenas mais um exemplo de como o tribunal das redes sociais processa o julgamento instantâneo sobre qualquer assunto colocando no banco dos réus, acusando e condenando sem direito a recurso. “E o resultado para as marcas pode ser um sucesso inimaginável ou um fracasso devastador, assim, estalando os dedos”, observa.

Na visão do publicitário, é impossível conceber que o gerenciamento de uma marca não monitore e responda as redes sociais na velocidade dessas redes. “O cliente que ainda encara o Twitter como um call center de luxo, ignora o Snapchat ou usa o Facebook como um site institucional está fadado a ficar fora do diálogo da sua marca”.

“O recente acontecimento envolvendo a marca French’s e Heinz revela o protagonismo cada vez maior do consumidor nas estratégias de marketing. Qualquer decisão que não levar em consideração a opinião desse consumidor corre o risco de ser questionada depois. Querendo ou não as empresas ganharam um ombudsman e ele veio para ficar”, diz Paulo Henrique Gomes, o PH, sócio e vice-presidente de criação da Mood.

Post traduzido para espanhol.

Fonte: Meio e Mensagem

(function(i,s,o,g,r,a,m){i[‘GoogleAnalyticsObject’]=r;i[r]=i[r]||function(){
(i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o),
m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m)
})(window,document,’script’,’//www.google-analytics.com/analytics.js’,’ga’);

ga(‘create’, ‘UA-74493459-1’, ‘auto’);
ga(‘send’, ‘pageview’);

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: